Bipartidarismo

Anúncios

Bipartidarismo, o brócolis da política

Esteja ciente dos editores: o criador está abordando mesmo que o bipartidarismo seja superestimado.

(TNS) O bipartidarismo é o brócolis da política.

todo mundo sabe que é bom para nós, embora poucos de nós gostem.

Quando eu costumava ser eleito para o Congresso em 2010, tornei-me membro da nova maioria da Câmara, enfrentando uma maioria democrata no Senado e a administração Obama no departamento de governo. A estratégia mais eficaz para o fluxo de legislação se transformou em via bipartidária.

no verão de 2011, os republicanos eleitos na onda do tea party foram duramente desafiados quando se tornou indispensável carregar o teto para a dívida nacional. A própria concepção de apoiar, para não mencionar autorizar, uma carga bem maior e maciça sobre os contribuintes americanos e sobre as gerações sucessivas sem um voto para pesar sobre essa depredação contra eles, era repugnante.

muitas pessoas, inclusive eu, haviam investido veementemente nos registros públicos contra o aumento do teto da dívida, e até juraram (a falta de conhecimento é uma bênção!) votar nesse sentido. Mas os dias inebriantes de campanha em oposição ao rolo compressor da esquerda dos dois primeiros anos de Obama haviam se passado e, como as cabeças mais grisalhas (não se pergunte!) Nos informaram, agora somos obrigados a governar.

A variedade surpreendentemente pequena de republicanos que representavam distritos decisivos estava dentro do lugar político ideal, dada a composição de nossos constituintes, para trabalhar em todo o corredor. O meu se transformou em uma espécie de bairros.

Com conselhos deslumbrantes por meio de minha equipe legislativa, organizei uma reunião para colegas contribuintes para expor as consequências, sem dúvida devastadoras, até mesmo de um inadimplemento técnico. Ficamos familiarizados com a dura realidade de que acabar com a espiral de gastos perdulários e tributação confiscatória exigiria sutileza e paciência – e bipartidarismo.

muitos de nós vieram para circular o pacote negociado com a ajuda de grupos da residência e das maiorias do Senado e da Casa Branca, mas agora não antes de um contingente de republicanos mais inflexíveis sobre as promessas do Tea Party despachou todos novamente para o quadro de redação e gerou uma votação de última hora que nos deu o “sequestro” de custos domésticos (uma situação republicana) e das forças armadas (uma situação democrática) que incomodou ambos os lados desde então.

Essa, é claro, é a essência do compromisso, nas frases imortais do então líder da maioria no Senado, Harry Reid: “ninguém obteve o que desejava, e isso eu sempre descubro … se os indivíduos saem da sala e as festas são todas desencantado, é um bom contrato decente. ”

Em minhas próprias discussões corriqueiras, e não ocasionalmente acaloradas, sobre o acordo de teto de dívidas, pedi que a “cooperação” fosse usada como alternativa ao “compromisso”, porque no último caso cada pessoa perde, mas no primeiro cada pessoa vence.

A moda das tremendas meditações sobre o bipartidarismo que eu esperava que esse raciocínio pudesse encorajar falhou, lamentavelmente, em se materializar. É a gastronomia da política: se você entrar em uma eleição imaginando bolo e sorvete, comprar brócolis como alternativa parece uma decepção.

hoje a palatabilidade do compromisso bipartidário – cooperação! – está sendo ponderado de novo, desta vez através dos democratas em cujo aspecto a energia ascendente é para a transformação radical de nosso equipamento eleitoral, nossa economia, nosso portfólio de energia e nossos tribunais.

E, como no desastre do teto da dívida de 2011, cabe a esses participantes do Congresso e senadores cujos distritos e estados são politicamente mais equilibrados abrir o caminho, com passos menores e mais graduais do que seus respectivos eventos aspiram.

Considerando que é verdade que os políticos bipartidários são susceptíveis de ter uma classificação particular de resiliência, ou seja, uma tolerância para o coração “agradável” (ou menos) de seu lado pessoal, sua existência e sobrevivência dependem quase que absolutamente de quem os está elegendo. O senador da Virgínia Ocidental Joe Manchin, o democrata que se tornou o líder de fato da coalizão bipartidária no Capitólio, representa um dos estados republicanos vitais do país e isso, mais do que qualquer outra coisa, é o que enrijece sua espinha na oposição t a inclinação para a esquerda de sua celebração.

A relevância da composição política dos constituintes adquire maior proeminência a cada 10 anos, quando as tensões nos distritos eleitorais são redesenhadas com base nos resultados do censo. Uma mistura de polarização avançada e gerrymandering, um impulso ao qual ambos os lados do espectro político compreensivelmente cederam, dizimou as espécies bipartidárias durante os últimos dois anos – apesar dos esforços para conter a gerrymandering via “apartidário” (isto, assim como (beleza, obtida no olho do observador) motores em uma variedade de estados também podem atenuar esse declínio.

Estamos no curso de um ciclo de redistritamento agora e suas implicações fou os hábitos de Washington podem ser diários em 2022.

nesse ínterim, uma nação cuja opção de sobremesa está igualmente dividida pode estar bem informada para aumentar a apreciação dos méritos de forma do brócolis.

Nan Hayworth é uma ex-congressista do 19º Distrito Congressional de Nova York. Ela é membro do conselho de diretores do fórum de mulheres independentes. Ela escreveu isso para InsideSources.Com.

Jéssica
Jéssica
Olá, sou escritora com uma vasta experiência em redes de sites, onde meu foco é criar conteúdos que não apenas informam, mas também facilitam a vida dos leitores. Minha motivação para escrever vem do desejo de ajudar os usuários a encontrar respostas e soluções práticas. Acredito que a escrita é uma poderosa ferramenta de conexão e espero que você encontre nos meus artigos um recurso valioso para suas pesquisas e leituras diárias.