Esta startup quer levá-lo em viagens rápidas em sua elegante aeronave elétrica, Midnight

Anúncios

No ano passado, a distância média que os motoristas americanos percorreram em seus carros todos os dias foi de pouco menos de 33 milhas. Essa métrica, que vem de uma pesquisa AAA, pode não parecer muito, mas uma startup de aviação chamada Archer pretende se concentrar em viagens ainda mais curtas. Seu objetivo é usar máquinas voadoras elétricas para saltos aéreos acima do tráfego ou hidrovias, e a empresa acaba de revelar uma aeronave que chama de Midnight. Ele foi projetado para fazer passeios que medem apenas 20 milhas, com tempo intermediário para recarga. 

O Midnight, que ainda não saiu do solo, tem capacidade para quatro passageiros, tem um piloto nos comandos e voa a 150 mph. “Ele pode transportar 1.000 libras de carga útil e viajar até 160 quilômetros”, disse Adam Goldstein, CEO da empresa, em um evento ontem. “Mas este veículo foi otimizado para viagens rápidas, consecutivas, de 20 milhas dentro e fora das cidades.” Algumas contas rápidas sugerem que o limite de peso para os cinco humanos a bordo e suas malas será de cerca de 200 libras cada.

Uma maneira específica pela qual Archer espera tornar esse plano de salto curto uma realidade é por meio de uma parceria com a United Airlines, que planeja comprar aeronaves da startup e já doou US $ 10 milhões. No início deste mês, as duas empresas disseram que planejam oferecer voos breves entre Manhattan e o Aeroporto Internacional Newark Liberty em aeronaves Archer a partir de 2025. 

Esse anúncio reflete um da Delta Air Lines e da Joby Aviation no início de outubro, que se concentrará em transportar pessoas em uma aeronave elétrica na cidade de Nova York ou Los Angeles para um aeroporto, onde poderão pegar um avião regular movido a combustível fóssil. voo em uma aeronave tradicional. 

[Relacionado: Assista Alice, um novo avião elétrico, voar pela primeira vez]

O alcance que o Archer está prometendo está no mesmo nível ou ligeiramente abaixo de seus concorrentes no espaço eVTOL (aeronave elétrica de decolagem e aterrissagem vertical). No mês passado, a Wisk revelou sua aeronave gen-six, que é quadrada, amarela e tem um alcance anunciado de cerca de 90 milhas. (A Wisk, que está envolvida em um processo com Archer, tem um plano único: oferecer vôos autônomos para quatro passageiros sem piloto e apenas supervisores humanos baseados em terra.) Outra fabricante de aeronaves elétricas, a Beta Technologies, está mirando em missões que são cerca de 150 milhas. Joby, em seu site, possui um “alcance máximo” do mesmo. Quanto mais pessoas ou carga uma dessas naves tentar transportar, menor será a distância que eles poderão percorrer com a energia da bateria. 

Como seus concorrentes, o design da Archer para sua máquina voadora depende de bateria e motores elétricos que alimentam as hélices. No caso de Midnight, há uma dúzia de adereços: seis na frente da asa podem se inclinar para ajudar a decolagem vertical e depois fazer a transição para o vôo para a frente, e seis na parte de trás não se inclinam, mas giram e produzem elevador para decolagem e pouso. Uma aeronave menor da Archer, chamada Maker, funcionou como seu teste sem tripulação para preparar o caminho para a Midnight. Ele voou várias vezes, mas ainda não fez a transição para um voo completamente para a frente com seus propulsores totalmente inclinados para baixo. 

A Archer também está se apoiando fortemente nos detalhes de design de sua aeronave Midnight, com o objetivo de evocar sentimentos nostálgicos e futuristas sobre o voo. 

“A era de ouro da aviação – a década de 1950 – foi uma grande fonte de inspiração para nós”, disse Julien Montousse, chefe de design e inovação da empresa, na inauguração. “Queremos trazer esse sentimento mágico de volta.” A aeronave, acrescentou, “tinha que ser bonita”.

A beleza pode ser um elemento inspirador quando se trata de qualquer aeronave, mas o desafio para todas essas empresas será demonstrar que suas máquinas voadoras são seguras, confiáveis ​​e uma alternativa conveniente, confortável e acessível para levar o transporte terrestre para um destino como um aeroporto (e, claro, eles também precisarão passar pelo escrutínio regulatório). Caso contrário, as pessoas provavelmente se limitarão a trens, Lyfts e outros automóveis. 

Jéssica
Jéssica
Olá, sou escritora com uma vasta experiência em redes de sites, onde meu foco é criar conteúdos que não apenas informam, mas também facilitam a vida dos leitores. Minha motivação para escrever vem do desejo de ajudar os usuários a encontrar respostas e soluções práticas. Acredito que a escrita é uma poderosa ferramenta de conexão e espero que você encontre nos meus artigos um recurso valioso para suas pesquisas e leituras diárias.